Como funciona a hipoteca e para que ela serve?

Como funciona a hipoteca e para que ela serve?

Linhas de crédito são uma mão na roda para conseguir dinheiro, sejam altas ou baixas quantias. Para muitos, a única forma de realizar um objetivo é recorrendo a elas. A hipoteca, por exemplo, é bem popular no mercado por ser um empréstimo menos burocrático e com boas taxas.

Contudo, apesar de ser conhecida, muitas pessoas não sabem como funciona a hipoteca. Neste post, vamos esclarecer tudo o que você precisa saber sobre o seu funcionamento. Veja:

O que é?

A hipoteca é uma espécie de empréstimo onde o devedor usa o seu imóvel como garantia para conseguir o crédito. Ou seja, o banco empresta dinheiro para o interessado, contanto que ele pague as parcelas. Caso ele não cumpra o acordo de pagamento, o imóvel pode ser quitado como garantia.

Geralmente, há três tipos de clientes que efetuam a hipoteca: as pessoas que precisam de dinheiro para pagar dívidas altas, os empresários que necessitam de recursos para fazer um investimento e, por último, aqueles que precisam comprar outro imóvel.

Como funciona a hipoteca?

Primeiramente, os documentos do imóvel passam por uma inspeção. Em alguns casos, a instituição financeira também realizará uma vistoria no local. Depois, o banco averiguará se o nome do dono do imóvel está sujo.

A maioria das instituições aceitam imóveis residenciais, mas outras podem aceitar estabelecimentos comerciais como garantia. Após análise e autorização, o interessado pode pegar o crédito.

Assim como outros empréstimos, o cliente deve devolver o valor em parcelas acrescidas de juros. Entretanto, no Brasil, a hipoteca não é mais tão utilizada, sendo substituída pela alienação fiduciária.

A alienação é um tipo de empréstimo onde o imóvel fica como garantia que, ao invés da financeira ficar com o nome do bem, é a propriedade fiduciária do local que é transferida para instituição. A casa continua com o nome do proprietário, mas na matrícula fica registrado como alienação fiduciária.

A posse é extrajudicial, apenas inscrita no Cartório de Registro de Imóveis. Isso facilita com que o processo de resgate seja mais rápido e com menos burocracia.

O que pode ser hipotecado?

É necessário recorrer à lei para saber quais bens, físicos ou não, podem ser hipotecados. Confira a lista:

  • Imóveis residenciais, comerciais e industriais, junto com seus acessórios incluídos ou não na hipoteca;
  • Domínio direto e domínio útil;
  • Estradas de ferro, contanto que sejam de propriedade particular;
  • Recursos naturais, não importando onde se encontram. Neste caso, incluem-se: matas, frutos pendentes, implementos agrícolas, lavouras, gado e árvores de corte, entre outros;
  • Navios e aeronaves;
  • Propriedade superficiária;
  • O direito de uso especial para fins de moradia;
  • O direito real de uso.

Quais os tipos de hipoteca?

Há diferentes hipotecas no mercado e o que faz com que sejam distintas são as cláusulas do contrato. Abaixo a lista:

  • Hipoteca convencional: essa necessita de registro no cartório, garantindo que as obrigações estipuladas no contrato sejam cumpridas;
  • Hipoteca judicial: aqui, ela se consolida por meio de uma sentença aplicada pela justiça que resulta na hipoteca do imóvel. O registro no cartório é igualmente necessário aqui;
  • Hipoteca legal: A sua principal característica é que não há necessidade de registro. Porém, o bem hipotecado precisa estar em garantia com determinadas situações, como:
  • Perante os tributos, guarda ou administração cobrados pelos Órgãos federais;
  • No caso de herdeiros, que possuam o direito da hipoteca e que se casaram antes de realizar o inventário dos pais;
  • Quando o proprietário tem processos judiciais e usa como garantia um imóvel para pagar as despesas do processo;
  • Em relação a um participante de herança que quer garantir a sua parte da casa que já está ocupada por outro;
  • Para o pagamento do total do leilão do imóvel, o credor pode pedir a hipoteca do mesmo como garantia;
  • Em caso de relacionamento de tutor e tutelado, pode-se hipotecar o imóvel enquanto durar essa relação.

O que pode acontecer se não pagar o empréstimo?

Caso o proprietário não consiga cumprir com acordo de pagamento, ele pode perder o imóvel. Pela legislação, mesmo que haja apenas uma prestação sem pagar, isso já configura uma situação para que o imóvel seja tomado.

Contudo, as instituições esperam um prazo de até quatro prestações para fazer alguma coisa. A partir daí, elas entram com uma ação judicial para tomar o bem do devedor.

Dessa forma, ao escolher fazer uma hipoteca, o indivíduo precisa ter um bom planejamento de suas contas. Afinal, apesar de ser um empréstimo muito prático, é preciso ter certeza de que poderá pagar as parcelas em dia.

Quais são as vantagens da hipoteca?

Como esse empréstimo fornece uma boa garantia para instituições, elas costumam oferecer alguns benefícios se comparados com outras linhas. Confira as vantagens:

  • É possível hipotecar o único imóvel da família. Entretanto isso deve-se ser feito de forma voluntária por todos os membros;
  • Os juros são bem abaixo do que é oferecido em outros empréstimos, justamente pela garantia ser alta (o próprio imóvel);
  • O prazo para o pagamento das parcelas pode se estender até 30 anos;
  • A inadimplência costuma ser menor e há garantia real para os bancos;
  • Algumas instituições podem oferecer o valor total do imóvel como empréstimo.

E nos EUA?

O tipo de hipoteca feita nos EUA é mais tradicional do que a feita no Brasil, onde esse tipo de crédito, como já mencionamos, é concedido por meio da alienação fiduciária.

Nos Estados Unidos há um grande movimento de financiamento imobiliário, pois a maioria dos americanos usam esse crédito para comprar o primeiro imóvel (mortgage).

Quando eles já têm uma casa por meio de hipoteca e a usa como garantia para realizar outro empréstimo, esse processo fica conhecido como segunda hipoteca (home equity ou second mortgage).

Curiosamente, a própria crise de 2008 ocorreu porque a indústria hipotecária não foi bem rigorosa perante as concessões e emprestaram para muitas pessoas que não podiam pagar. Apesar disso, ainda hoje a hipoteca é bem popular e significa quase 68% de crédito para pessoas físicas no país.

É importante enfatizar que linhas de crédito como a hipoteca podem servir muito bem para quem tem interesse em conseguir altas quantias. No entanto, é essencial que o interessado leve em consideração que o risco de perder o seu imóvel existe, e por isso deve se manter em dia com o contrato.

E no Brasil?

Aqui no Brasil o empréstimo com imóvel em garantia é feito através de alienação fiduciária, e é um dos tipos de empréstimos com as menores taxas do mercado e com prazos que podem ser superiores a 15 anos para pagamento. Aqui no site Quero Financiar atuamos trabalhamos com empréstimo com imóvel em garantia com taxas que partem de 1,15%.

Esperamos que com essas informações você tenha entendido como funciona a hipoteca e quais são os processos desse tipo de empréstimo. Curtiu o nosso post? Não deixe de comentar o que achou na seção logo abaixo!

Deixe um comentário

Leia também:

  • É possível fazer um empréstimo para negativado?

    Estar com o nome sujo é uma situação que ninguém quer. Porém, infelizmente, existem muitos brasileiros nessa condição. Para se ter uma ideia, de acordo com o SPC e a CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas), há cerca de 60,2 milhões de consumidores em situação de nome sujo. Além do constrangimento, estar nesse cenário é

    25 de março de 2019
  • Como garantir a segurança na hora de fazer um empréstimo?

    Muitas instituições financeiras e bancos espalhados por todo o país oferecem a modalidade de empréstimo aos seus clientes, mas, você sabe como garantir a segurança no momento da contratação? É muito importante se atentar ao tipo de contratação que está sendo feito, principalmente se o processo acontece de forma online. Isso porque, o empréstimo traz

    1 de março de 2023
  • Por que você não deve recorrer ao um agiota?

    Agiota é uma pessoa que empresta dinheiro com juros e taxas muito altas, geralmente à pessoas que não têm acesso a outras formas de crédito, como bancos ou financeiras. O termo é comumente usado em países da América Latina, especialmente no Brasil, onde é uma prática comum. Os agiotas geralmente operam informalmente, sem seguir regulamentações

    10 de março de 2023

Solicite agora mesmo!

Quer um empréstimo?

Use seu imóvel em garantia e consiga as menores taxas, com os maiores prazos do mercado.